14 de abr de 2011

Folders Prato Cheio

Enquanto a gráfica roda nossos folders ( em breve nossos aperitivos, tira-gostos estarão em vossas mãos!), cartazes e tudo o mais, a divulgação pela internet já está a todo vapor.

Dá uma olhada nas belezuras, nos inesquecíveis clássicos que estampam o material - pra todos os tipos de fome!


Festa Prato Cheio - o retorno!

Vem aí mais uma edição, a segunda, a missão, a continuação da Festa Prato Cheio- Pra quen tem fome dos anos 80 ( e ainda continua com apetite.)

Para reabrir os trabalhos do blog ( com um "pequenino" atraso) ficam alguns registros da primeira festa.

E logo logo nas ruas da cidade o novo material já estará em mãos, saído do forno.










8 de nov de 2010

A música e o cinema nos anos 80 - parte 2 ( a missão)

Filme: A Garota de Rosa-Shocking (Pretty in Pink) - 1986
Hit: If you live ( OMD)

Outro filme do coração, presença constante na Sessão da Tarde, o filme traz aquela temática adolescente, marca registrada do diretor John Hughes, que dirigiu outros filmes da década, como Gatinhas e Gatões e O Clube dos Cinco (ambos com Molly Hingwald), revelando vários astros teens. Hughes também é o diretor de um dos maiores clássicos dos anos 80, o inesquecível Curtindo a Vida Adoidado, com todos aqueles personagens impagáveis, encabeçados por Mathew Broderick, o Ferris Buller.

A Garota de Rosa-Shocking traz aquela trama constante no cinema americano - a aceitação e a formação da personalidade no colegial, os populares da escola, a garota mais bonita, líder de torcida, que namora o cara mais disputado e, do outro lado, os "esquisitos", os "estranhos", que não se enquadravam pela falta de status, beleza, dinheiro ou, quem sabe, pelo excesso de inteligência e dedicação aos estudos.

Dentro dessa trama, temos Molly Ringwald, apaixonada pelo carinha mais popular e bonito e rico. Mas ela é pobre, meio estranha, não segue a cartilha de comportamento das patricinhas e ousa ser, por exemplo, criativa e criar suas próprias roupas.

A ruivinha Molly

E tem o melhor amigo dos sonhos, outro outsider, outro adolescente que corre por fora dos populares, que é meio doidinho, fala demais e, claro, apaixonado pela melhor amiga.


Molly e John Cryer, o Duckie, na chegada ao baile (confesso que eu preferia muito mais o Duckie do que o mocinho sem sal Andrew...)

O caso é que Molly, como bem o título diz, adora essa cor, pink, uma das cores, claro, emblemáticas da década. E resolve ela mesma costurar seu vestido para a festa, onde finalmente vai ficar com o mocinho Andrew MacCarty, o rapaz-rico-popular. Uma espécie de Cinderella moderna... E eles ficam juntos ao som de OMD, a linda If You Leave...


                                                                       Pretty in Pink!

Molly, estrela da década de 80

                                                                     ... continua linda!



E aí está, exatamente, a capa do vinil que eu ia escutar, escondida, inúmeras vezes, no quarto dos irmãos mais velhos, dessa grande banda da década de 80. Deles é a música tema do filme, e várias, várias outras que marcaram a época.

Na sequência, mais música e cinema, e em breve os brinquedos dos anos 80!
Mande sua sugestão!

4 de nov de 2010

A música e o cinema nos anos 80

Os filmes da década de 80, vistos e revistos na tradicional Sessão da Tarde, emplacaram várias músicas que marcaram época. Geralmente associados a um personagem, a uma cena específica, estes hits cada vez que rodam, até hoje, dão aquela quebra nostálgica, aquela saudade da época e do impacto que causaram.

 É preciso lembrar que o fatídico video cassete veio dar as caras no finalzinho da década; música pra escutar em casa, dá-lhe fita cassete ( a minha estava sempre de prontidão pra gravar, rec e pause, pra quando rodasse as minhas preferidas), vinil e rádio  - mas isso é assunto para desenvolver melhor mais tarde. Enfim, onde se via filme? Na televisão. Cinema, só em datas especialíssimas - era um acontecimento antológico. Então, prepare seu nescau, sua Laranjinha, sua merendinha e vamos ver os hits que emplacaram com os clássicos do cinema da década de 80:

Ruas de Fogo (1984)
Hits: Tonight is what it means to be young ( interpretada por Diane Lane)
        I can dream about you  ( Dan Hartman)


        O casal do filme, Diane Lane e Michael Paré. Michael era a promessa de "galã rebelde de Hollywood", mas não emplacou. Já Diane, sumiu por uns tempos, e voltou a estrelar bons filmes do final de 90 pra cá - e ainda linda. O tempo passou muito bem para ela, olha só minha gente:


Não podia faltar também o vilão, Willem Dafoe, jovenzinho e já encarnando um tipo esquisitão:


Diane no momento apoteótico do filme, quando sobe ao palco e canta Tonight is what it means to be young - aquele do ôôôôô ô ô ô.... ( a parte que a gente canta sem recorrer ao embromation, né?):




Willem Dafoe enlouquecido pois não vai poder ir à Festa Prato Cheio...



Calma, Willem, não fica assim, o compromisso foi cancelado e você está liberado!!


Na sequência, mais filmes e seus hits anos 80!
Deixe sua sugestão!

3 de nov de 2010

A música e a moda 2: Girls just wanna have fun

É isso aí, dona Cindy Lauper. Frase sábia de outra musa anos 80 - as garotas só querem se divertir. Hit certo até hoje em qualquer festa, anos 80 ou não, Girls just wanna have fun traduz bem o espírito da década de 80 -  diversão, exagero, colorido.
Vejamos as True Colors de Cindy Lauper, hoje uma senhora enxutíssima de 57 anos, que já andava pelos 30 na década de 80, mas com aquela carinha e jeito de menina. Tinha uma maneira mais lúdica, talvez, que Madonna de usar a moda e as cores da década.



                Explosão de cores, na maquiagem, no cabelo, na luz. Acredito que é aquele visual teatral, de performance mesmo, mas não duvide de as gurias andassem por aí assim em plena luz do dia. A blusa com estampa de bolinhas também retornou com força total.




Uma imagem que traduz bem o estilo escrachado, maluquete e divertido de Cindy. E sim, os sapatos oxford, aqueles de modelinho mais masculino, típico de colegiais da década de 50, que hoje voltaram à moda, já estavam dando bandas por aí na década de 80. E as correntes eram tão usadas que iam parar até no tornozelo.





Aqui a Cindy com um visual que, com alguns ajustes, poderia tranquilamente ser usado hoje, numa festa - mais alternativa, claro ( tipo a Festa Prato Cheio, no dia 26/11, por exemplo...). O cabelão ultravermelho, o cinto de tachas, meia calça colorida, vestidinho curto pra mostrar as belas pernocas, está tudo aí. Junte todas as pulseiras que tem no porta-jóia, pegue as da irmã, das amigas, e pronto. Visual  completo. Nos pés, pode ser um all star botinha, um cuturno, um salto ( mas não aquele comportado, pra trabalhar...!)




    
 Capa clássica, cabelo clássico. Muito laquê ( hoje chamado de fixador, hein, para quem quer   ser moderno....!) e maquiagem pesada.



                         Não podemos esquecer os colares, muitos, todos, uma infinidade deles!



Cindy tem um visual bem mais exagerado, colorido, lúdico que sua contemporânea Madonna. Na época, viviam sendo comparadas. Mas a música de Cindy, assim como o visual, eram mais "leves" - Madonna, em hits como "Like a virgin" e "Like a prayer" já tocava em temas mais polêmicos como o sexo e religião.



    As divas


Enfim, não esqueça que Cindy, claro, está no nosso cardápio também:




Cindy já está pensando em qual figurino vai usar na Festa Prato Cheio...

1 de nov de 2010

Grandes vozes dos anos 80

No dia 24 de novembro, completam-se 19 anos da morte de Freddie Mercury, líder do Queen, se não a maior banda dos anos 80, uma das grandes.
Se estivesse vivo, Freddie hoje estaria com 64 anos.
O Queen é presença certa no cardápio da Festa Prato Cheio; eis algumas imagens da maior voz dos anos 80, desse baixinho bigodudo, dentuço, ousado, maluco, estupendo. Ainda bem que a voz, assim como a música, fica gravada pra sempre, num registro que arrepia e emociona.

                                             Ninguém mais apropriado pra usar uma coroa:


Pequeno com o "teclado" pra fora...


A pose clássica no show



A entrega total soltando a voz espetacular



Encontro dos mitos


Dominando o delírio da multidão


Folders pra aguçar a fome

Já estão rodando pela cidade os folders da festa!
São cinco clássicos ingredientes que não podiam faltar no Prato Cheio:

















Já encontram-se nas melhores casas do ramo comercial de Gravataí, orkuts e e-mails por aí!
Arte: Adriano Vieira